Pesquisa Avançada
Voltar aos arquivos



Info

Afonso Costa
Embora constituindo apenas uma pequena parte do espólio remanescente de Afonso Costa, os documentos existentes neste arquivo ilustram particularmente um dos períodos menos conhecido da sua vida – os derradeiros anos da I República e a primeira década dos tempos da Ditadura, que o estadista viveu no exílio.
O tipo de documentos, bem como as próprias temáticas por eles abrangidas, foram os princípios orientadores da organização da documentação, destacando-se os trabalhos de Afonso Costa nas Conferências de Paz em 1919 e na SDN, e a sua atividade na oposição à Ditadura que sobreveio ao golpe militar de 28 de maio de 1926. Da sua atividade oposicionista, desenvolvida no exílio, destaca-se a Frente Popular Portuguesa e a Liga de Defesa da República, durante a década de 1930, de que existem diversos documentos neste acervo.
Assume igualmente expressão um conjunto de correspondência, que inclui cartas recebidas de diversas personalidades, e algumas expedidas por Afonso Costa, designadamente para a família. Particularmente interessante é um conjunto de correspondência trocada com Bernardino Machado, na sua maior parte de 1937, pouco antes do falecimento de Afonso Costa. Existe ainda um pequeno grupo de correspondência pertencente a Alzira Costa, esposa de Afonso Costa. As fotografias do acervo retratam diversos momentos da vida particular e política de Afonso Costa.
O fundo inclui ainda alguns documentos produzidos posteriormente ao seu falecimento, que lhe terão sido adicionados por familiares, a título informativo e complementar.

Instituição
Fundação Mário Soares

Nota biográfica/Institucional
Professor universitário, advogado e político republicano.
Afonso Costa nasceu no concelho de Seia, a 6 de março de 1871, tendo-se formado em Direito pela Universidade de Coimbra (1894), doutorando-se no ano imediato e concorrendo a lente daquela faculdade, onde ensinou de 1896 a 1903 e de 1908 a 1911. Lecionou ainda na Escola Politécnica - Faculdade de Ciências de Lisboa (1911-1913) e na recém-criada Faculdade de Direito de Lisboa, de que foi diretor de 1913 a 1915, e ainda no Instituto Superior de Comércio (1915).
Exerceu sempre a advocacia, quer no foro, quer como consultor jurídico, alcançando grande prestígio, nacional e internacional.
Afonso Costa notabilizou-se ainda durante a monarquia como deputado, pela fluência e veemência dos seus discursos. Considerado um dos maiores oradores do seu tempo e adversário determinado das instituições monárquicas e clericais, exerceu um papel de relevo nos combates políticos que desembocaram na implantação da República, integrando a direção do Partido Republicano e envolvendo-se em conspirações contra a monarquia e o franquismo, que lhe valeram a prisão em diversas ocasiões.
Implantada a República, Afonso Costa assumiu a pasta da Justiça no Governo Provisório, sendo o autor de legislação fundamental laicista e anticlerical do novo regime (decreto de expulsão das ordens religiosas, lei de imprensa, lei do divórcio, lei do inquilinato, leis da família e de proteção às crianças, lei do registo civil, lei da separação do Estado e das Igrejas, etc.). Chefe de fila do jacobinismo radical e da facção democrática do Partido Republicano Português, foi uma figura emblemática da primeira fase do republicanismo, entre 1910 e 1917, presidindo a diversos ministérios e sendo o inspirador de facto de vários outros.
Preso durante o Sidonismo em finais de 1917, quando posto em liberdade, exilou-se em França (abril de 1918). Após o termo da ditadura de Sidónio Pais, chefiou a delegação portuguesa às Conferências de Paz e representou Portugal na Sociedade das Nações e em numerosas conferências internacionais com elas relacionadas, sendo eleito, em 1926, presidente da sua Assembleia-Geral, não mais voltando a exercer qualquer cargo político em Portugal, embora sucessivamente instado a formar governo.
Após a instauração da ditadura militar em 28 de maio de 1926, Afonso Costa permaneceu em Paris, participando até à sua morte em numerosas tentativas para derrubar a Ditadura e o Estado Novo, integrando, designadamente, os corpos diretivos da Liga da Defesa da República (1927-1930) e defendendo, em 1936, a criação de uma Frente Popular que reunisse todas as forças de esquerda.
Morreu exilado em Paris, a 11 de maio de 1937.

Dimensão
4 unidades de instalação

Estado de Tratamento
Integralmente tratado