Pesquisa Avançada
Voltar aos arquivos



Info

Mário Cal Brandão
O acervo de Mário Cal Brandão reflete a sua atividade política como advogado oposicionista ao Estado Novo e dirigente socialista, situando-se a sua documentação maioritariamente entre as décadas de 1940 a 1960, produzida pelo MUNAF e pelo MUD, e relacionada com diversas outras atividades da oposição democrática, como o apoio à candidatura de Norton de Matos à Presidência da República, em 1949, ou a participação em diversos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, designadamente em 1953, 1957 e 1961. Incluem-se também neste conjunto alguns textos relacionados com a oposição no exílio.
Contém ainda documentos relevantes para o estudo da história do Partido Socialista, como os oriundos da Acção Democrata-Social e da Acção Socialista Portuguesa.

Instituição
Fundação Mário Soares

Nota biográfica/Institucional
Advogado e dirigente partidário.
Mário Cal Brandão nasceu no Porto, a 25 de março de 1910.
Concluiu os estudos liceais no Porto. Matriculou-se em Direito na Universidade de Coimbra em 1926, tendo ficado instalado na República das Águias, fundada por seu irmão Carlos Cal Brandão. Em Coimbra, participou na luta estudantil, entre 1928 e 1931. Foi membro da Maçonaria desde os tempos de estudante, quando se inscreveu na loja Revolta.
Esteve envolvido nos movimentos reviralhistas de 20 de julho de 1928 e de maio de 1931, o que lhe valeu a fixação de residência em Estarreja.
Esteve exilado algum tempo na Galiza, regressando depois a Lisboa em situação de semiclandestinidade.
Concluiu o curso de Direito já em Lisboa, iniciando a sua carreira de advogado no Porto, em 1936.
Em 1938 foi preso sob a acusação de manter ligações revolucionárias com elementos da Frente Popular. Durante a década de 1940, participou ativamente na tentativa de reorganização do movimento socialista, sendo membro da União Socialista.
Foi membro da Comissão do Norte do Movimento de Unidade Nacional Antifascista (MUNAF), participou na fundação do Movimento de Unidade Democrática (MUD) e voltou a ser preso na sequência da ilegalização deste último.
Em 1949 fez parte da Comissão do Porto dos serviços de Candidatura do general Norton de Matos à Presidência da República, e, em 1958, prestou também apoio ativo à candidatura do general Humberto Delgado, o que o conduziu novamente à prisão.
Foi ainda membro do Movimento Nacional Democrático (MND) e, posteriormente, do Directório Democrato-Social.
Candidato pela Oposição Democrática nas eleições para a Assembleia Nacional em 1961, subscreveu neste mesmo ano o Programa para a Democratização da República. Em 1969 apresentou-se novamente como candidato a deputado pela CEUD do Porto.
Em 1964 foi cofundador da Acção Socialista Portuguesa (ASP) e, em 1973, foi um dos membros fundadores do Partido Socialista (PS).
Desempenhou o cargo de Governador Civil do Porto, entre 1974 e 1980 e entre 1983 e 1985, e foi deputado à Assembleia da República em todas as legislaturas até 1991 (exceto a intercalar de 1980).
Foi agraciado com a Ordem do Mérito Civil, de Espanha, e com a Ordem Militar de Cristo em 1991.
Morreu no Porto, a 21 de outubro de 1996.

Dimensão
2 unidades de instalação

Estado de Tratamento
Integralmente tratado